Produtos

A transição para a alimentação na mama

Transição para a alimentação direta

Momento de leitura: 4 min.

Oferecer aos bebés na UCI neonatal oportunidades de receber estímulos durante a sucção não nutritiva na mama ajuda-os a progredir da alimentação entérica para a amamentação. A transferência eficaz de leite durante a amamentação é o objetivo final das intervenções em aleitamento, pelo que é necessário implementar medidas exatas de transferência de leite para garantir que isto é conseguido.

O que é a transição para a alimentação direta na mama?

A transição para a alimentação direta na mama é definida como a progressão da alimentação entérica para a transferência efetiva de leite diretamente da mama.

Muitos bebés na UCI neonatal não conseguem mamar logo depois do nascimento devido à idade gestacional, à imaturidade, às morbilidades neonatais associadas e às condições médicas.

A transição da alimentação entérica começa cedo com os cuidados de pele com pele com a mãe e proporciona ao bebé oportunidades para1-3 

  • Sucção não nutritiva (SNN)
  • Estímulos sensoriais orais na mama
  • Progressão para a sucção nutritiva (SN)
  • Aprendizagem gradual da dinâmica de sucção da amamentação


Por que razão é importante a transição para a alimentação direta na mama?

As experiências positivas de amamentação na UCI neonatal são o alicerce para a continuação do êxito após a alta.4

Para os bebés prematuros que têm a sua primeira experiência de alimentação oral diretamente na mama a duração das alimentações com leite materno durante o internamento na UCI neonatal é mais prolongada.5

A SNN na mama melhora a transição para a amamentação para fins nutritivos e está associada a uma duração mais longa da amamentação.2 A monitorização das experiências na mama (SNN e SN) e os volumes de transferência de leite permitem

  • às mães observar as pistas de alimentação do seu bebé e iniciar as sessões de alimentação na mama
  • a avaliação exata da transferência de leite através do teste do peso pré e pós-amamentação.6,7

Estas práticas apoiam o progresso para a alimentação exclusiva diretamente na mama.


Como otimizar a transição para a alimentação direta na mama

Inicie e monitorize eficazmente a produção de leite da mãe para avaliar o atingir do volume (volumes diários ≥500 ml/dia)

  • Promova a SNN regular e a progressão para a SN logo que seja fisiologicamente adequado
  • Documente os eventos de SNN e SN como prática padrão
  • Promova os cuidados de pele com pele com a mãe durante >1 hora de cada vez
  • Recomende o teste do peso como uma forma validada de medir os volumes de transferência de leite durante a alimentação na mama
    • Registe o volume de leite real ingerido durante a amamentação
    • Adapte e suplementação de acordo com a ingestão de leite
    • Promova a transição do bebé na UCI neonatal para sessões de alimentação completas antes da alta
    • Capacite e tranquilize as mães para terem confiança nas capacidades de amamentação e de satisfação das necessidades nutricionais do seu bebé
    • Disponibilize um plano individual para após a alta para apoiar as mães que possam precisar de continuar a extrair leite para manter a produção.


Como monitorizar a transição para a alimentação direta na mama

Recolha dados sobre a frequência da sucção não nutritiva e a qualidade da sucção nutritiva (transferência do volume de leite).

Faça uma monitorização e avaliação mensal dos dados para medir

  • A percentagem de bebés que realiza a sua primeira alimentação oral na mama.
  • A percentagem de alimentações na mama com transferência de leite validada pelo teste do peso.
  • A percentagem de bebés amamentados ≥ uma vez por dia durante os 7 dias antes da alta e ≥ 6 vezes por dia durante as 48 horas antes da alta.

Faça uma auditoria mensal dos registos para rever o progresso e identificar e fazer face aos desafios para melhorar a transição para a alimentação direta na mama

Referências

1. Meier PP et al. Evidence-based methods that promote human milk feeding of preterm infants: An expert review. Clin Perinatol. 2017; 44(1):1–22.

2. Narayanan I et al. Sucking on the 'emptied' breast: non-nutritive sucking with a difference. Arch Dis Child. 1991; 66(2):241–244.

3. Spatz DL. Innovations in the provision of human milk and breastfeeding for infants requiring intensive care. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2012; 41(1):138–143.

4. Briere C-E et al. Direct-breastfeeding in the neonatal intensive care unit and breastfeeding duration for premature infants. Appl Nurs Res. 2016; 32:47–51.

5. Pineda R. Direct breast-feeding in the neonatal intensive care unit: is it important? J Perinatol. 2011; 31(8):540–545.

6. Haase B et al. The development of an accurate test weighing technique for preterm and high-risk hospitalized infants. Breastfeed Med. 2009; 4(3):151–156.

7. Hurst NM et al. Mothers performing in-home measurement of milk intake during breastfeeding of their preterm infants: maternal reactions and feeding outcomes. J Hum Lact. 2004; 20(2):178–187.

Artigos relacionados

Artigos que podem ser do seu interesse

Iniciação eficaz

Recursos para uma transição bem-sucedida do hospital para casa

Saiba mais
A transição para a alimentação na mama

Contacto pele com pele

Saiba mais
Benefícios do leite materno

Medicação durante a amamentação

Saiba mais
Iniciação eficaz

Recursos para uma transição bem-sucedida do hospital para casa

Saiba mais
A transição para a alimentação na mama

Contacto pele com pele

Saiba mais
Benefícios do leite materno

Medicação durante a amamentação

Saiba mais