Produtos

Iniciação eficaz

Atingir o volume – Resultados da iniciação eficaz

Momento de leitura: 3 min.

Atingir o volume é um indicador da eficácia das intervenções para apoiar uma iniciação eficaz. Atingir o volume, definido como alcançar ≥500 ml por dia nos primeiros 14 dias após o nascimento, é o mais forte elemento para prever a alimentação com leite da própria mãe (LPM) aquando da alta da UCI neonatal. Quando as mães na UCI neonatal têm apoio para iniciar o aleitamento de forma eficaz, podem atingir os seus objetivos de amamentação.

O que é atingir o volume?

Atingir o volume (AOV) refere-se à fase do aleitamento entre a ativação secretória (descida do leite) e o estabelecimento de um volume de leite diário mínimo de cerca de 500 ml que ocorre normalmente entre 4-7 dias após o parto em mães que amamentam e bebés saudáveis.1 

Atingir o volume é definido como alcançar um limiar de ≥500 ml de volume de leite diário total até ao dia 14 pós-parto.2-4


Por que razão atingir o volume é importante?

Conseguir o AOV nos primeiros 14 dias após o parto demonstrou ser o elemento mais forte para ter uma previsão do bebé a receber alimentações de leite da própria mãe (LPM) aquando da alta da UCI neonatal. É provável2 que as mães que produzem menos de 500 ml/dia ao dia 14 tenham uma produção de leite inferior à adequada a longo prazo.2

Quando suportado pelas melhores práticas baseadas em evidências, tais como a extração precoce e frequente5, o AOV pode servir como um indicador de qualidade para melhorar as alimentações com LPM na UCI neonatal.2

As práticas baseadas em evidências que acompanham o AOV permitem que as mães na UCI neonatal (que dependem do extrator de leite) atinjam volumes de leite semelhantes aos das mães que amamentam exclusivamente.3,5,6

O AOV é a etapa associada ao maior risco de amamentação sub-ótima e de desmame antecipado e não planeado em populações saudáveis. As mães que são parcial ou exclusivamente dependentes de extrator de leite correm um risco significativo durante esta janela crítica.3,7

Assim que as mães atingem o volume, o controlo do aleitamento muda de endócrino para autócrino (ou local). A síntese do leite será controlada na mama e a extração de leite é o mecanismo de controlo principal para a produção.6,8

O AOV é um evento único na jornada de aleitamento da mãe.3,9 À medida que o tempo passa, torna-se mais difícil aumentar significativamente a produção de leite quando intervenções sub-ótimas indicam um atraso na ativação secretória e volumes de leite <500 ml durante este período crítico de 14 dias.4


Como otimizar o atingir do volume

  • Informe e dê indicação às mães para iniciarem a extração do leite cedo, extraírem com frequência, fazerem extração dupla e utilizarem funis com o tamanho correto5,9-12
  • Forneça às mães extratores de leite com o programa INICIAR até ser atingida a ativação secretória. Depois disto, mude para o programa MANUTENÇÃO para drenar os seios de forma eficaz e ajudar a aumentar o volume de leite.4,6

  • Dê indicação às mães para monitorizarem a frequência e o volume da extração durante o período crítico de 14 dias preenchendo registos de extração.5

  • Informe as mães sobre os objetivos mínimos de AOV para as capacitar a procurarem apoio cedo.4

  • Dê formação regular ao pessoal sobre as melhores práticas de aleitamento para apoiar o AOV.

  • Instrua o pessoal e informe as mães de que o AOV e o desenvolvimento de uma produção de leite podem significar volumes de leite maiores do que as necessidades atuais do bebé.13

  • Certifique-se de que os registos de extração são revistos diariamente.5,10,13

Integre apoio especializado ao aleitamento para quando as mães não alcançarem ≥500 ml nos primeiros 14 dias após o nascimento


Como monitorizar o atingir do volume

  • Monitorize a percentagem de mães cuja "descida" do leite ocorre nas primeiras 72 horas após o nascimento.
  • Identifique as mães com "descida" do leite tardia (> 72 horas)

  • Recolha dados sobre a extração frequente com uma ferramenta de recolha de dados

  • Reveja os registos de extração e recolha volumes de leite diários (ml/dia)

  • Faça auditorias mensais aos dados para medir o volume médio diário de leite durante os primeiros 14 dias pós-parto

  • Identifique práticas hospitalares em que as mães podem não conseguir uma extração precoce e frequente

  • Identifique fatores determinantes como a disponibilidade da extração dupla, funis com o tamanho correto, extratores para uso doméstico, tempo que reduz a frequência e a eficiência da extração

  • Comunique regularmente os resultados e recomendações a todos os serviços para melhorar e manter as melhores práticas

Produtos relacionados
Symphony® No. 1 hospital pump

Extrator de leite Symphony

O extrator de leite Symphony, com os seus programas de extração baseados em investigação, foi especificamente desenvolvido para ajudar as mães ao longo da sua aventura de aleitamento: a iniciar, desenvolver e manter uma produção de leite adequada.

Saiba mais
Symphony® No. 1 hospital pump

Extrator de leite Symphony

O extrator de leite Symphony, com os seus programas de extração baseados em investigação, foi especificamente desenvolvido para ajudar as mães ao longo da sua aventura de aleitamento: a iniciar, desenvolver e manter uma produção de leite adequada.

Saiba mais
Artigos relacionados

Artigos que podem ser do seu interesse

Iniciação eficaz

Momento da primeira extração - Intervenções de iniciação eficaz

Saiba mais
Iniciação eficaz

Extração frequente – Intervenções de iniciação eficaz

Saiba mais
Iniciação eficaz

Recursos para uma transição bem-sucedida do hospital para casa

Saiba mais
Iniciação eficaz

Momento da primeira extração - Intervenções de iniciação eficaz

Saiba mais
Iniciação eficaz

Extração frequente – Intervenções de iniciação eficaz

Saiba mais
Iniciação eficaz

Recursos para uma transição bem-sucedida do hospital para casa

Saiba mais
Referências

1. Chen DC et al. Stress during labor and delivery and early lactation performance. Am J Clin Nutr. 1998; 68(2):335–344.

2. Hoban R et al. Milk volume at 2 weeks predicts mother's own milk feeding at Neonatal Intensive Care Unit discharge for Very Low Birthweight infants. Breastfeed Med. 2018; 13(2):135–141.

3. Meier PP et al. Which breast pump for which mother: An evidence-based approach to individualizing breast pump technology. J Perinatol. 2016; 36(7):493–499.

4. Meier PP et al. Evidence-based methods that promote human milk feeding of preterm infants: An expert review. Clin Perinatol. 2017; 44(1):1–22.

5. Spatz DL et al. Pump early, pump often: A continuous quality improvement project. J Perinat Educ. 2015; 24(3):160–170.

6. Meier PP et al. Breast pump suction patterns that mimic the human infant during breastfeeding: greater milk output in less time spent pumping for breast pump-dependent mothers with premature infants. J Perinatol. 2012; 32(2):103–110.

7. Spatz DL. Getting it right – the critical window to effectively establish lactation. Infant. 2020; 16(2):58–60.

8. Daly SE et al. Frequency and degree of milk removal and the short-term control of human milk synthesis. Exp. Physiol. 1996; 81(5):861–875.

9. Meier PP et al. Human milk in the neonatal intensive care unit. In: Family Larsson-Rosenquist Foundation, editor. Breastfeeding and breast milk - From biochemistry to impact: A multidisciplinary introduction. 1st ed. Stuttgart: Thieme; 2018.

10. UNICEF, WHO. Protecting, promoting and supporting breastfeeding: The baby-friendly hospital initiative for small, sick and preterm newborns. Geneva, New York: WHO; UNICEF; 2020. 42 p.

11. Prime DK et al. Simultaneous breast expression in breastfeeding women is more efficacious than sequential breast expression. Breastfeed Med. 2012; 7(6):442–447.

12. Sakalidis VS et al. Breast shield design impacts milk removal dynamics during pumping: A randomised controlled non-inferiority trial. Acta Obstet Gynecol Scand. 2020; 99(11):1561-1567.

13. Spatz DL. Innovations in the provision of human milk and breastfeeding for infants requiring intensive care. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2012; 41(1):138–143.